Torcedor atleticano, precisamos conversar sobre a Massa.




Por: Rodrigo Campos

Torcedor atleticano, precisamos conversar sobre a Massa.

 

Foto por: Bruno Cantini / Atlético

QUE FASE! Mais uma derrota no Horto, dessa vez, o adversário foi o Vasco. Com o jogo de ontem, já são 5 derrotas e um aproveitamento de 29,63% jogando em casa nesse Campeonato Brasileiro. Difícil para nós, torcedores, aceitar o desempenho do time em casa. Difícil para nós, torcedores, acreditar que o time que já foi “o melhor mandante do mundo”, esteja fadado a atuações horrorosas como a que presenciamos ontem no Horto.

Hoje não vim para nenhuma análise tática, nenhuma estatística sobre o jogador A ou B. Vamos esquecer isso por um momento e conversar sobre o maior patrimônio que o Clube Atlético Mineiro possui: a MASSA!

A torcida, força maior do clube, está doente.

Ontem no Horto presenciei um dos momentos mais tristes da minha vida em jogos do Galo. Em meios a jogadas que não deram certo, finalizações sem perigo, falhas da equipe e sob o silêncio sofrível da derrota, ouvi um “torcedor” que, por volta de seus 40 anos de idade, gritou da arquibancada, no primeiro toque do Luan na bola: “Ô Luan, seu aleijado, vai tomar no c*”. Triste, muito triste. Apesar de todas as lutas esse ano para jogar e de toda a gratidão que ele acumula do torcedor atleticano, nosso maluquinho também foi vítima da cruel arquibancada, sem sequer falhar.

E que arquibancada é essa?

É óbvio que, uma atitude como essa, não reflete o que pensam todos os torcedores do Galo, mas nos faz pensar. Para chegar a esse ponto, para ouvirmos coisas como essa vindo da arquibancada, algo está errado. A torcida tem seus motivos para estar decepcionada com o time que, apesar de todo investimento e rótulos como o de “melhor do Brasil”, não consegue atuar bem, principalmente em casa, sob os olhos da massa. O Horto virou uma panela de pressão contra o Galo.

Fato é que as torcidas nos estádios de futebol do Brasil estão sofrendo uma transformação. Vários são os motivos, como a elitização do futebol, situação que o país se encontra, frustrações pessoais, entre outros fatores que estão matando não só a torcida, como também o futebol. Esse assunto é tratado diariamente, e todo mundo já sabe disso.

Avaliando a situação específica da torcida do Galo, esses fatores se somam a outros. A trajetória de anos e anos sofrendo com perdas de título, arbitragens duvidosas, times horríveis e momentos de desorganização total da diretoria, trouxe ao torcedor alvinegro uma identidade única. Apesar de todos os motivos para uma total descrença no clube, a Massa sempre esteve presente, apoiando, acreditando, cantando mais alto e carregando times em alguns momentos. Foi essa a Massa que a maioria de nós conheceu e se apaixonou.

Após todo esse tempo de insucessos, vivemos tempos de títulos que deveriam ser disfrutados e enaltecidos diariamente pelo torcedor que tanto sofreu, mas que ao contrário disso, gerou espaço para uma certa arrogância que nunca foi característica do Galo. Não só uma arrogância da torcida, que cobra títulos, mas também da diretoria e dos jogadores. Quantos torcedores vemos hoje no estádio xingando na arquibancada por um motivo mínimo? A cada três meses, pedem cabeças de técnicos, dirigentes e jogadores. Dói dizer isso, mas nós estamos doentes.

Então a culpa dessa fase que vivemos é nossa?

Não, lógico que não. Se perguntarmos hoje para os torcedores do Galo qual o motivo para o momento ruim que vivemos, serão diversas as respostas. Para exemplificar, fizemos uma pesquisa no nosso Twitter, veja o resultado abaixo:

A verdade é que todos procuram culpados, seja na diretoria, no time, no treinador, na torcida ou no Twitter. Será mesmo que temos um único culpado? Na humilde opinião desse que vos fala, não temos. São conjuntos de erros que levam a situação ao patamar que está. Também temos nossa parcela de culpa. Não há comum acordo entre torcedores, seja na arquibancada, Twitter, ou nas ruas. A Massa não está unida, o caos do time passou para a arquibancada e perdemos a nossa força.

Qual seria nossa saída?

Por que não paramos de culpar, xingar e brigar? Parecemos estar no fundo do poço da temporada, e ainda estão por vir decisões em outros campeonatos. Claro que as cobranças devem existir, mas precisamos melhorar. A verdadeira Massa precisa voltar aos jogos do Galo.

Quando o time caiu, choramos e cantamos. Quando o time subiu, aliviamos e cantamos. Quando o time foi campeão, comemoramos e cantamos. Quando o time precisou, a Massa estava lá e cantou. O que vamos escolher fazer até o final de 2017? Culpar? Xingar?

Não, vamos cantar! Não devemos aceitar ser reféns da péssima atuação da diretoria ou do péssimo desempenho da equipe. A situação é difícil e o desânimo é geral, mas temos que acreditar na força da torcida do Galo. Se há algo no mundo algo que possa superar decepções, é a Massa!

Por que não vamos para o Mineirão!?

O Horto não é o culpado, mas sim, o Mineirão pode ajudar. Não necessariamente ajudar o desempenho do time, mas ajudar a nos curar da nossa doença. Preços populares, Mineirão lotado, é a hora da Massa voltar, é a hora da massa carregar esse time para as vitórias como fizemos durante muito tempo.

Que durante o jogo, esqueçamos estatísticas e números, esqueçamos nossas opiniões sobre o Carioca, nossas críticas ao presidente, nossas decepções com o time, nossas frustrações pessoais e nossa pseudo arrogância. O que deve prevalecer é o nosso amor incondicional pelo Galo. Nenhum “culpado” deve nos calar. Está ao nosso alcance, nós podemos!

NÓS VAMOS FICAR E CANTAR!

Foto por: Daniel Teobaldo

VAMOS, GALO!

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *